Blog Imobiliária Ghisleni

Imobiliária em Gramado

Melhor hora para investir

Melhor hora para investirA expectativa do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS) também é bastante parecida. Para a entidade, uma retomada mais forte do deve ocorrer no mercado imobiliário em 2019 a partir do início do segundo semestre.

Para o Sindicato, o mercado ainda está retraído por conta das condições econômicas da população, que atualmente ainda não tem dinheiro, segurança ou estabilidade para assumir dívidas a longo prazo.
Por isso mesmo, de acordo com o Sinduscon-RS, agora é a melhor hora para quem quer investir, já que os preços ainda estão baixos.

No entanto, estima-se que o melhor período para investimento dure apenas mais alguns meses. A exemplo da bolsa de valores, que já foi às alturas, o mesmo deverá ocorrer com os imóveis – e em um futuro bastante próximo.

Os especialistas consideram que as empresas da construção civil estão apenas “esquentando as máquinas” e que, com a recuperação econômica, logo os preços dos imóveis também serão recuperados.

Segundo os dados do SBPE, foram totalizados R$ 57,5 bilhões na compra e construção de imóveis durante todo o ano de 2018, 33% além do gasto em 2017.

Para os especialistas, esses índices significam o fim definitivo do biênio negro do setor e o franco crescimento do mercado imobiliário em 2019.
Números de 2018 superam toda a apuração toda a apuração do período de crise
Considerada termômetro da economia brasileira, a construção civil sinaliza uma sólida retomada de crescimento do mercado imobiliário em 2019 para os especialistas.

Os Indicadores da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), por exemplo, mostram 30,1% de aumento nos lançamentos residenciais no primeiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período de 2017. Nas vendas, por outro lado, esse índice foi de 23%.

Só em São Paulo, a Pesquisa do Mercado Imobiliário promovida pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação) mostrou que foram comercializadas 29,9 mil novas unidades em 2018, 26,7% a mais do que em 2017.
Para a entidade, só esses números de 2018 já são suficientes para classificar o ano como de crescimento: eles superam toda a apuração referente ao período entre 2014 e 2017.

Os números estão alinhados com os indicadores da Empresa Brasileira de Estudo de Patrimônio (Embraesp). De acordo com eles, a quantidade de unidades lançadas também foi superior à média histórica da capital paulista (30 mil por ano).

No entanto, o mais interessante é o movimento crescente. Das 32.762 unidades lançadas, só as de novembro e dezembro correspondem a 42% do total.



mercado imobiliário, construção civil